Cinema: Star Wars – Episode II: Attack of the Clones/ Ataque dos Clones (2002)

MV5BNDRkYzA4OGYtOTBjYy00YzFiLThhYmYtMWUzMDBmMmZkM2M3XkEyXkFqcGdeQXVyNDYyMDk5MTU@._V1_SY1000_CR0,0,752,1000_AL_.jpgHá, há, pegadinha do Malandro! Ao invés de um filme, ontem eu assisti dois! Me empolguei mesmo, confesso. E aliás, tenho que confessar uma coisa. Apesar de ter assistido aos episódios I e III, essa foi a primeira vez que assisti o II. Toda errada nessa vida.

Dez anos se passaram entre os eventos do primeiro episódio e desse segundo. Agora Palpatine é de fato Senador Supremo. Uma nova ameaça à República aparece na forma de um movimento separatista liderado por Count Dooku (o riso é livre), que era um Jedi e se uniu ao lado sombrio da força. Padmé Amidala (Natalie Portman) é agora Senadora por Naboo e, em uma viagem para a capital da República para votar em assuntos urgentes, vê sua vida ameaçada (inclusive sua guarda-costas morre nessa brincadeira). Para tirá-la de perigo, o conselho Jedi decide colocar Obi-Wan (Ewan McGregor) e Anakin Skywalker (Hayden Christensen) como seus guardas. Anakin cresceu bastante nesse tempo e está louco para extravasar toda a paixão acumulada por dez anos em cima de Amidala, que parece inicialmente bem reticente (a quantidade de foras que Anakin recebe nesse filme faz qualquer um sentir vergonha alheia). Outra ameaça à vida da Senadora coloca os dois Jedi na cola do assassino, um caçador de recompensas. Deixando Anakin para cuidar de Padmé, Obi-Wan parte para descobrir mais sobre esse cara. (É tipo deixar o lobo cuidando das ovelhas, mas Obi-Wan fica insistentemente ignorando o comportamento de adolescente apaixonado do século XIX de Anakin).

Enquanto Anakin e Padmé estão curtindo a juventude rolando nos gramados de Naboo (bem literalmente) e se beijando ao pôr-do-sol, Obi-Wan acaba no planeta Kamino, onde descobre que uma ordem foi feita há dez anos atrás, por um Jedi, para a criação de um exército de clones, tendo como matriz um caçador de recompensas chamado Jango Fett. Jango ainda vive em Kamino, com o filho (um clone sem modificações e melhoramentos) chamado Boba (olha o link bonito entre as duas trilogias). Achei bonitas as interações de pai e filho, me julguem. Jenga vê que vai se ferrar com Obi-Wan e foge com o filho para um planeta desértico. Obi-Wan consegue persegui-lo até lá e manda a duras penas uma mensagem para Anakin em Tatooine retransmitir para a capital da República. Mas o que Anakin está fazendo em Tatooine? Pois é, o rapaz tinha pesadelos constantes com a mãe e vai para lá para encontrá-la com Padmé. Chegando lá descobre que ela havia sido vendida, se casado com um cara e depois fora sequestrada pelo povo do deserto. Quando Anakin chega para salvá-la ela morre em seus braços (isso foi muito forçado! Fizeram a cena só para a mamãe falar: “olha como cresceu! Te amo! Não esquece o casaco!” e morrer. Bem idiota.) e Anakin não consegue conter sua raiva. Anakin é um péssimo Jedi.

Pois então, fato é que Padmé e Anakin correm para ajudar Obi-Wan e depois de uma sequência absurda e desnecessária sobre a construção de robôs, os dois são aprisionados e colocados com o mestre de Anakin em um picadeiro para servir de espetáculo (e comida) de monstros. Obi-Wan havia descoberto o Count Dooku (risos) no planeta e escutou sobre seus perversos planos de assassinar Padmé. Na capital, sabendo dessas notícias alarmantes, é aprovado que Palpatine tenha poderes absolutos sobre o exército de clones para conter a ameaça representada por Count Dooku e seu exército de droids. Os Jedi mandam todas suas forças para salvar Obi-Wan e os dois palhaços que iam ajudar e acabaram presos. Devo dizer que nessas sequências Padmé Amidala recuperou minha estima, não sendo a damsel in distress que estava se anunciando (a moça é mãe da Leia, ela tem que mostrar serviço!). Yoda surge com o exército de clones na melhor hora e todo mundo consegue se salvar. A luta final é entre Count Dooku, Obi-Wan (que se fere), Anakin (que perde uma mão, mas isso é mal de família) e Yoda (que mostra que os baixinhos tem poder). Count Dooku acaba escapando e logo o vemos se encontrando com o Senador Palpatine/Darth Sidious, o vilãozão da trama que agora tem poderes totais e um exército à disposição.

No final ainda temos o casamento de Padmé com Anakin em Naboo. E esses dois são muito jovens para casar, mas né… Quero só ver quando Obi-Wan descobrir essa traquinagem dos dois…

Advertisements

One thought on “Cinema: Star Wars – Episode II: Attack of the Clones/ Ataque dos Clones (2002)

  1. Pingback: Retrospectiva 2016 | Meu Logbook

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s