Livro: Landline (Rainbow Rowell)

18081809Estou curtindo ler nesse finalzinho de ano apenas livrinhos fáceis e rápidos, de preferência que possam ser devorados em dois ou três dias. E foi assim que acabei procurando “Landline” (“Ligações” na versão em português brasileira), mais um livro de Rainbow Rowell.

Como já tinha expresso quando falei de “Eleanor & Park”, “Attachments” e “Fangirl”, gosto muito do modo como Rainbow constrói seus personagens, sempre lidando com problemas maiores do que a básica resolução de um romance. Rowell consegue pintar personalidades muito reais, que nem sempre fazem o que seria o mais lógico, se deixando seguir pela emoção, ao mesmo tempo que consegue manter aquela linha do levemente fantástico, do hollywoodiano, que caracteriza o gênero como romance.

Em “Landline”, o livro mais adulto que já li da autora, a protagonista é Georgie McCool, uma roteirista de sitcoms de 39 anos, casada desde o fim da faculdade com Neal, que é quem fica em casa cuidando das duas filhas do casal enquanto Georgie trabalha. A dinâmica do casal aparentemente funciona bem, mesmo com Georgia trabalhando longas horas todos os dias com o amigo Seth e Neal ficando em casa, sem nunca ter de fato encontrado algo com que se identifique para trabalhar. Tudo desmorona em um Natal, quando Georgie, prestes a finalmente ver a série em que ela e Seth trabalham desde a faculdade ser lançada, decide ficar em Los Angeles trabalhando enquanto a família vai para Omaha, rompendo o prévio acordo existente entre o casal. A família de fato viaja sem Georgie, que sofre com um iphone cronicamente sem bateria e com a diferença de fuso. Os fatores se somam para que a escritora fique um longo tempo sem se comunicar com o marido, apesar de ocasionalmente falar com as filhas, e esse tempo faz Georgie pensar se Neal ao menos deseja falar com ela (ainda mais com a mãe de G. o tempo todo apontando que isso na verdade é uma separação) ou está evitando-a.

Por meio das reflexões de Georgie vamos conhecendo então como esses personagens se conheceram, se apaixonaram e toda essa vida a dois que construíram antes dessa crise singular. Um aspecto fantástico permeia o livro: na casa da mãe de Georgie há um telefone fixo que permite com que ela converse com o marido do passado em 1998, aquele da época da faculdade, justamente em uma mesma semana quando o casal quase se separou e em que Neal apareceu de surpresa na manhã de Natal disposto a continuar a relação. Georgie aos poucos se dá conta de todos os pequenos momentos em que a relação foi sofrendo pequenas fraturas que culminaram na realidade atual dos dois: distantes, sem conversar por horas como antes. E aí é a vez de Georgie procurar se redimir e fazer seu grande gesto para provar o amor que sente pelo marido e pela família que criaram.

Mesmo sendo um livro mais “maduro” no que tange o conteúdo, é ainda bastante palpável mesmo para quem não tem esse tipo de compromisso de longo tempo e conserva o humor característico da autora (o que é a Noomi conversando na base de miados, minha gente…). É leve e ao mesmo tempo bastante aprofundado em um assunto delicado.

Advertisements

One thought on “Livro: Landline (Rainbow Rowell)

  1. Pingback: Retrospectiva 2016 | Meu Logbook

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s