Música: Eurovision 2016 – E o começo da III Guerra Mundial

eurovision2016

Mais uma semana de muito glamour, plumas, paetês e música eletrônica chegou. Não estou falando de Tomorrowland e sim do inexplicável, do maravilhoso, do incomparável EUROVISION!

Já falei outras vezes dessa competição que mistura o melhor e o pior da Zôropa em um grande caldeirão (aqui e aqui) e nesse ano voltamos em Estocolmo, na Suécia, para chorar de rir e se emocionar com essa bagaceira. Devo dizer que todo ano eu ativamente evito assistir ou escutar as músicas antes do show para ter aquela surpresa, então as opiniões aqui descritas são totalmente fruto do momento durante a apresentação. Faça a pipoca e vamos mais uma vez falar da melhor competição do mundo!
Significado de Notas:
(*) ZzZzZzZ. Prefiro tomar milkshake de ovomaltine com canudinho de Toddynho.
(**) Assisti até o final, mas foi uma bosta.
(***) Meeeh. Poderia ser melhor, colega.
(****) Faltou um tantinho assim para ganhar meu coração gelado.
(*****) Amo de paixão, quero essa pessoa trancada no porão da minha casa para poder escutar essa música sempre!

Semi-final 1 (10/05/2016) – clique aqui
*Como sempre começamos com o campeão do ano anterior cantando a música vencedora, no caso o delicinha Mans Zelmerlöw. Mas as crianças de laranja… WTF?? Negócio assustador! Terei pesadelos. Mans ainda fez papel duplo, porque aproveitou que não ia ter nada para fazer em casa e apresentou o programa também. Um corte de custos considerável. Tinha uma mulher também que, acho, era uma comediante, mas não muito engraçada.
01) FINLÂNDIA – Sing It Away: Música eletrônica, porque aparentemente a gente já pode abrir a competição mostrando o que ela tem de mais chato. Não sei porque a miga tava fazendo tanta careta enquanto cantava. A música é mais fofa do que badass. Mais uma coisa que ela é com certeza é chata. E a menina estava um tanto desafinada. (**)
02) GRÉCIA – Utopian Land: Quando começou achei que era reprise de “O Clone”. Tem uma mulher que só canta uma frase repetidamente. Isso é chato. Os colegas dela que tocavam instrumentos e cantavam em grego eram mais legais. “We are the rise in the rising sun” é uma frase bem idiota. Para falar a verdade, a letra toda era idiota. (***)
03) MOLDÁVIA – Falling Stars: Começou aquela batidinha e a gente já sabe: música eletrônica de novo… Gente, mais criatividade, por favor! Para piorar tudo me entra um sujeito vestido de papel alumínio no meio da música do nada. Quero conhecer pessoalmente a pessoa que achou que seria G-E-N-I-A-L botar um cara dançando vestido de astronauta ali. (**)
04) HUNGRIA – Pioneer: Um modelo começou a cantar do nada e… surpresa… a música foi a mais legal até esse ponto do show. Tinha backing vocal e eles não roubavam a estrela do bonitão. Até queria o Freddie trancado no meu porão, mas não precisamente para cantar. (*****)
05) CROÁCIA – Lighthouse: A menina, coitada, perdeu uma aposta com algum dos candidatos do ano passado e teve que se vestir de árvore. Que bom que ela tinha uns colegas góticos que viram que ela estava passando vergonha e decidiram dar uma ajudada. E a música era bem legalzinha. Uma pena a cantora ter tentar forçar a barra e desafinado diversas vezes bem na final. (*****)
06) HOLANDA – Slow Down: Holanda melhorou bastante de um ano para cá. Não exatamente estamos trabalhando com originalidade, mas está melhor do que antes. Trouxeram um menino simpático, com carisma e boa voz, e uma música um tanto anos 60, um tanto country. Gostei muito. (*****)
07) ARMÊNIA – LoveWave: Sabe o colega que era modelo e virou cantor da Hungria? Na Armênia ele tem uma prima modelo/cantora que canta umas músicas muito chatas. O mais engraçado é que ela sabe disso e fica tentando apelar para a apresentação. Mas a apresentação também não foi muito legal. (*)
08) SAN MARINO – I Didn’t Know: Mundo, precisamos falar sobre San Marino. Na primeira vez parecia uma má escolha, na segunda algo já cheirava um tanto mais errado, mas essa terceira foi um grito de socorro: San Marino está preso em alguma década passada, onde usar roupas prateadas era sinal de modernidade. Eles estão tentando se enturmar e gritar seu desespero. Precisamos escutar esse sinal de breguice e atendê-los o mais rápido possível! (**)
09) RÚSSIA – You Are The Only One: Rússia pensou: “olha, ano passado o vencedor usou uma tela interativa ali atrás e todo mundo adorou. Quem sabe se a gente mandar um cantor fazendo exatamente a mesma coisa eles não esquecem que nos odeiam e ajudam a gente a trazer orgulho para a mãe Rússia?”. Sério, Rússia, sério? ¬¬ Julgando fortemente vocês. Da próxima vez não esqueçam que a música tem que ser boa. (***)
10) REPÚBLICA TCHECA – I Stand: Sabe quem voltou com louvores? O VENTILADOR! Já estava sentindo falta das apresentações com cabelos voando… Sobre a música: acho que era religiosa. Sabemos que você está aí em pé, miga, não precisa avisar nem gritar isso. (***)
11) CHIPRE – Alter Ego: Os caras me vêm vestidos como se fosse tocar metal e tocam no máximo um Bon Jovi. Foi interessante, mas nada a ver com o que eu esperava. E o tio careca da “Múmia” uivou!!!! Na cabeça dele, ele devia estar arrasando no death metal e na minha ele tava cantando a canção dos Teletubbies. (***)
12) ÁUSTRIA – Loin d’ici: Tá todo mundo tendo uns delírios loucões nesse Eurovision. A garota austríaca ali, por exemplo, acha que tem 9 anos e está em um filme de princesas da Disney. Larga disso. (*, e um * a mais porque cantou em francês a música toda)
13) ESTÔNIA – Play: Amigão nunca deveria ter tentado dançar. Já é esquisitinho, dançando parecia um brinquedo ruim do começo dos anos 80. A música me pareceu boa no início, até que eu notei a letra. O refrão não era tão forte quanto deveria ser também, bem meh. (****)
14) AZERBAIJÃO – Miracle: Quando a menina apareceu fiquei dividida em achar que ela era cosplay da Jasmine de Alladin ou uma irmã perdida das Kardashians. Com muito dourado, ela cantou uma música pop sem nada de especial. Vou esqueci. (**)
15) MONTENEGRO – The Real Thing: Então. Ao mesmo tempo em que entendi a intenção do grupo e gostei das vozes que se apresentaram, acho que a música se perde um pouco em exageros de apresentação e acabou soando bem mais fraca do que deveria. (**)
16) ISLÂNDIA – Hear Them Calling: Outra tia que tá tendo uns delírios. E outra pessoa que quis apelar pro telão. Primeiro acho que a gente tem que tratar essa mania de perseguição. Ninguém tá te chamando, fia. (**)
17) BÓSNIA E HERZEGOVINA – Ljubav Je: Finalmente alguém que cantou na língua do próprio país! Adorei a coragem nesse mar de músicas em inglês. Teve dourado? Teve. Teve prateado? Teve também. Mas nem liguei. Assim como não liguei para não saber do que eles estavam falando. Tinha uma cerca de arame farpado no meio do palco, então interpretei que a música era uma crítica aos governos que querem cercar suas fronteiras e não permitir a entrada de imigrantes, mas pode ser que eles estivessem só muito tristes porque as galinhas fugiram. (*****)
18) MALTA – Walk On Water: Acho que temos um problema quando há uma mulher grávida em um vestido todo trabalhado no dourado cantando e a parte mais interessante do show é o dançarino que fica se debatendo no chão. E o pessoal oficialmente está abusando desse recurso do telão. (*)

Classificados: Azerbaijão, Rússia, Holanda, Hungria, Croácia, Áustria, Armênia, República Tcheca, Chipre e Malta.

Semi-final 2 (12/05/2016) – clique aqui
* Ao que parece Pietra, a humorista apresentadora, está fazendo sucesso. A plateia gastou um tempo gritando o nome dela no começo. Adorei a musiquinha do começo explicando afinal o que é Eurovision para quem está assistindo pela primeira vez. Se estivesse apta à votação era capaz de ganhar. 
01) LETÔNIA – Heartbeat: 
Pela batida da música, estava cá eu esperando um refrão bem mais forte do que foi na realidade. Não sei até que ponto é culpa da própria música ou do interprete. Achei a apresentação bem paradinha também. Migo, você não está no The Voice, mas sim no Eurovision. Se solta, mona! (***)
02) POLÔNIA – Color Of Your Life: Melhor cabelo desse Eurovision? Melhor cabelo desse Eurovision! OoooOoooo, comecei achando a música fraquinha, mas ela é chiclete demais! Vou passar eras com essa vogal ecoando na cabeça! É para isso que a gente assiste esse negócio! (****)
03) SUÍÇA – The Last Of Our Kind: Miga, não queria ter que falar mas tá saindo fumaça da sua roupa… Miga, desculpa de novo, mas por quê você está fazendo agachamento toda vez que surge o refrão? Miga, não consegui me concentrar na música, tinha um bocado de coisa distraindo… (***)
04) ISRAEL – Made of Stars: Seria uma boa apresentação e boa música para o Eurovision, não fosse o azar tremendo de cair depois da mocinha anterior, que usou exatamente os mesmos recursos visuais que o rapaz desconstruído de Israel. Vou até dar a mesma nota. Eles deviam ser amigos. (***)
05) BIELO-RÚSSIA – Help You Fly: Amigão estava claramente se divertindo na apresentação, o que sempre ajuda. O que ajuda também é o fato de Ivan não ser tão bonito, mas ser charmoso o suficiente para conseguir desviar do ridículo de várias partes duvidosas da apresentação, que incluía desde nudez e lobinhos a um bebê andando no final (WTF?). (****)
06) SÉRVIA – Goodbye (Shelter): Que apresentação bonitinha e com propósito. A irmã estava toda empoderada e trabalhando na sororidade para combater um relacionamento abusivo. (****)
07) IRLANDA – Sunlight: A Irlanda costuma enviar músicas muito boas para o Eurovision. Apesar de achar que essa não é exatamente uma das mais mais e que ela não é exatamente my glass of beer, apreciei a intenção. Mas vamos falar de uma coisa mais importante: TINHA BANDEIRAS DO BRASIL NO MEIO DA MULTIDÃO!!! Quem é você? Quer ser meu amigo? Compra um ingresso pra mim também, colega, nunca te pedi nada! (**** e ***** pro compatriota)
08) MACEDÔNIA – Dona: Garganta de ouro da Sula Miranda da Macedônia! Tudo bem que quando li o nome da música achei que ela ia soltar um Roupa Nova, mas a tia veio com uma balada na língua nativa e bem repetitiva, para cumprir aquele papel chiclete. Como cantou em algo que não inglês tenho quase certeza de que não vai vencer esse negócio. (***)
09) LITUÂNIA – I’ve Been Waiting For This Night: Eu também, migo. Achei o comecinho da música bem fraca, mas ela cresce do jeito certo, bem no alvo. O refrão é bom e os efeitos complementaram com perfeição a apresentação. Até dispensaria o pulo em trampolim no meio, mas se o amigão achou necessário nem vou criticar. Uma das melhores candidatas ao prêmio até agora. (*****)
10) AUSTRÁLIA – Sound Of Silence: Pensei que a Austrália só estaria aqui esse ano se tivesse vencido ano passado? Será que está ocupando o lugar de Portugal, que não inscreveu candidato porque notou que nunca consegue apresentar uma música boa? Nunca saberemos. A menina cantou muito bem e a música chega a dar uma empolgadinha. (****)
11) ESLOVÊNIA – Blue and Red: Uma pegada meio country nessa música. Não entendi o porquê da garota cantando sobre um relacionamento parar no refrão para dar uma rezadinha. E o colega fazendo acrobacias na metade final da apresentação era legal, mas não tinha nada a ver com a canção. (***)
12) BULGÁRIA – If Love Was a Crime: Achei que a moça estava muito mal vestida, mas tem surpresinha com a roupitcha no final, então aguarde. A música tem vibes de eletrônica, mas ainda é pop o suficiente para ser mais palatável. Grandes chances de esquecer até amanhã. (***)
13) DINAMARCA – Soldiers of Love: Enquanto muita gente foi no caminho do Mans buscando a vitória, a Dinamarca pegou dicas com a Itália e decidiu apostar em três meninos cantores de Petropólis  para ganhar. Só que Il Volo era um grupo bem mais forte vocalmente e no palco. E “Grande Amore” é uma música muito mais bonita. Ainda assim acho que eles têm chances grandes de vitória porque vão agradar as jovens adultas que curtem boy bands inglesas. Eles fazem bem o tipão. (***)
14) UCRÂNIA – 1944Torta de climão. Ucrânia mandou uma garota falando umas verdades inconvenientes. Parecia a prima pessimista na festa de Natal da família. Interessante que em termos de melodia era uma das músicas mais interessantes, mas “everyone dies”. Entretanto, ela é forte o bastante para ser lembrada depois e os efeitos usados ajudam nessa sensação. Sem contar que o refrão não é em inglês (ponto extra). (****)
15) NORUEGA – Icebreaker: Tem um negócio muito esquisito nessa música que começa com uma batida bem mais rápida e no refrão desacelera legal. Não sei como a menina testuda conseguia desacelerar naquela parte, eu teria me embananado legal. Acho que seria uma música mais bonita sem essa batida rápida no início. (****)
16) GEORGIA – Midnight Gold: Uma sensação doida de estar bêbada com essa imagem toda espelhada. Quando vi que era uma banda fiquei toda animada, mas a música era tão chata que vim aqui escrever o quanto está ruim. Projeto de cópia de Oasis que deu errado? Tô aprendendo muito sobre a Teoria da Relatividade com eles. Era para essa música ter 3 minutos e está durando um século de tortura. (*)
17) ALBANIA – Fairy Tale: Que construção esquisitinha de canção, tanto em melodia quanto em letra… Não gostei nada. Sem contar que a apresentação foi paradona, em parte porque a cantora estava tão envelopada no vestido que não conseguia se mexer. (**)
18) BÉLGICA – What’s The Pressure: Bélgica decidiu ser toda otimista e alegrinha. O começo da música se assemelha a “Another One Bites the Dust” e estou torcendo para ser uma homenagem, dado o título. A apresentação foi simples, focada mais na dancinha estilo anos 70 do que em muitos fogos e efeitos tecnológicos. Bonitinho. (****)

Classificados: Letônia, Georgia (incrivelmente), Bulgária, Austrália, Ucrânia, Sérvia, Polônia, Israel, Lituânia e Bélgica.

Pré-Selecionados:
– ITÁLIA – No Degree Of Separation: A menina cantou em voz doce na própria língua e isso já eleva um pouco a notinha dela no meu livro. Achei um pouquinho parada só para meu gosto. (***)
 SUÉCIA – If I Were Sorry: Esse menino! Que bonitinho! E a música também era, daquelas baladinhas gostosinhas de ouvir. Gostei muito e estou esperando que todo mundo lá tenha gostado também. (*****)
– 
ALEMANHA – Ghost: 
Alemanha mandou uma otaku cantando uma musiquinha bem fraquinha. E mandou as árvores todas da última edição. Bom ver que estamos trabalhando com reciclagem. (***)
– FRANÇA – J’ai cherché: Cantando em francês e inglês, como a menina italiana, em um pop repetitivo e em que faltava aquele je ne sais quoi. Poderia ter sido bem melhor, migo. (***)
– ESPANHA – Say Yay: A lição de hoje é nunca acreditar nos boatos. Eles diziam que a Espanha ia arrasar, que era forte concorrente para ganhar e tals. Achei a música bem entediante e a Nelly Furtado genérica que sabe cair, apesar de ser o carisma em pessoa, não conseguiu salvá-la para mim. Descontei um ponto porque estava seguindo o twitter durante as apresentações e ela se aproveitou da situação para tirar foto com todos os cantores bonitões. ENVEJA!(***)
– REINO UNIDO – You’re Not Alone: Uma boy band inglesa em que uns quatro integrantes decidiram ficar em casa. Aí o país ficou só com uma dupla cantando “estamos nessa juntos”. Pop inglês adolescente. (***)

Depois de uma apresentação meio WTF dos países (umas mulheres com bolas brancas fazendo carão, oi?), começamos a final de fato!  Justin Timberlake deu uma passadinha ali e como todos os americanos, achou o show fofinho, os europeus tão bonitinhos cantando, e não deu a menor bola para aquela enorme população assistindo. A música do JT nem foi a melhor da noite…
Muito legal o clipe com todos os artistas suecos que fizeram muito sucesso, não sabia por exemplo que Roxette e The Cardigans eram suecos. Sabe no que os europeus são sempre bons? Em fazer piada consigo mesmos. E a música “Love Love, Peace Peace” foi um bom exemplo disso. Maravilhosa.

Sobre a votação: mudaram algumas regras de apresentação, agora se apresentam os pontos do júri antes e do povo depois. Geórgia e todos os outros países não amigados da Rússia votando na Ucrânia tem um significado político que chega a fazer rir. Imaginei Putin bem já traçando os planos de vingança… Na parte dos votos dos jurados a Austrália (!) disparou na frente (!!!!) com uma diferença enorme do segundo lugar, a Ucrânia. Mas ainda faltavam os votos dos telespectadores. E a coisa mudou de uma maneira espetacular porque a Austrália ficou em 4º nas votações do público, enquanto a Ucrânia ficou em 2º. Nem mesmo o primeiro lugar da Rússia salvou a situação. A lição de hoje é não tentar invadir os amiguinhos, senão…

A UCRÂNIA VENCEEEEEEEUUUU!!! Em segundo lugar ficou a Austrália e em terceiro a descontente Rússia. E eu só notei a presença da árvore de fogo na apresentação final. Árvores, uma obsessão européia.

De maneira geral, achei esse ano mais fraco do que os anteriores, tanto em termos de bizarrices quanto de boas músicas. Sei que vou viver aquele período de ressaca em que fico escutando as músicas concorrentes em looping por esse mês, mas não sei se vou levar alguma para a vida, como aconteceu nas edições anteriores (“Grande Amore” continua muito popular no meu MP3). Talvez seja questão de repetir mais algumas vezes algumas delas para apaixonar de vez. Se for o caso em um próximo post de música eu venho falar sobre.

Advertisements

One thought on “Música: Eurovision 2016 – E o começo da III Guerra Mundial

  1. Pingback: Retrospectiva 2016 | Meu Logbook

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s